Ctrl+C/Ctrl+V

Ctrl+C/Ctrl+V

Rola um (bug)burguer?

por Conexão Planeta, em 2017-12-06 00:00:00

Enquanto cerca de dois bilhões de asiáticos comem insetos há séculos, todos os dias, os ocidentais fazem cara de nojo quando pensam em usar os pequenos animais como ingrediente para a culinária. Todavia, já existe um número crescente de especialistas e cozinheiros deste lado do mundo que defende que insetos são excelentes fontes de proteínas, além de saudáveis e … deliciosos!

Apostando nisso, a startup alemã BugFoundation decidiu criar um hamburguer feito com larvas de insetos. A ideia surgiu em 2010, quando os amigos Baris Özel e Max Krämer fizeram uma viagem de um ano por diversos países e provaram a iguaria asiática. Quatro anos depois, ainda com a memória do sabor e aroma dos insetos fritos, os jovens empreendedores começaram a fazer pesquisas sobre o valor nutricional dos animais e os primeiros testes para produzir carne feita com eles.

Foram dois anos de muitos experimentos até que a dupla conseguisse a receita perfeita: 43% de buffalo worms (alphitobius diaperinus) – uma larva de besouro comestível e já bastante comercializada –, proteína de ervilha e de leite, cebola, arroz, queijo parmesão e outros temperos secretos.

Na direita, a buffalo worm, larva utilizada na receita

Segundo os criadores do Bux Burguer, nome dado ao sanduíche, insetos são excelentes fontes de ferro, zinco, minerais e vitamina A. Além disso, comparados à carne tradicional, eles fornecem mais gorduras boas (mono e poliinsaturadas).

Para convencer ainda mais seus fregueses, os empreendedores alemães mostram a diferença entre a produção da carne de gado e a feita com insetos. Como já é de conhecimento generalizado, a pecuária precisa de imensas áreas de terra. Fora o solo, consome enormes quantidades de água e energia. Bem, insetos precisam de um espaço mínimo para crescerem, pouquíssimo alimento para crescerem e praticamente nada de água.

Outra vantagem? Diferentemente do que é feito com o gado em fazendas, na criação de insetos não é utilizado nem hormônios nem antibióticos para estimular o crescimento dos animais (leia mais sobre o assunto aqui).

Outro problema da pecuária apontado pelos cientistas é que bois e vacas emitem metano, um dos gases de efeito estufa, que provocam o aquecimento global. Apesar disso ser um fenômeno natural, com o tamanho do rebanho mundial para atender a demanda do consumo global, o metano liberado pelos animais é descomunal.

Por tanto, vamos de hamburguer de insetos?

Fonte de proteínas, minerais, zinco e gorduras boas:
vai encarar?

Na Europa, são poucos os países que permitem a comercialização de alimentos feitos com este tipo de “ingrediente”. Na Alemanha, por exemplo, a venda será liberada a partir de 2018. Mas enquanto isso, o Bux Burguer já faz parte do cardápio de restaurantes da Bélgica e da Holanda.

Quem já comeu garante que o hamburguer é crocante, com um leve sabor de nozes. E aí, você experimentaria?